Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Princesa Mako e seu noivo Kei Komuro

(afp_tickers)

A princesa Mako, filha do imperador do Japão, anunciou neste domingo seu noivado com um plebeu em vista de um casamento que irá excluí-la da família imperial, em consequência de uma polêmica lei que não é aplicada aos homens.

Mako, de 25 anos, está "muito feliz" e disse "ter consciência desde a sua infância que teria que abandonar o status real com o casamento".

"Fazendo o meu melhor para ajudar o imperador e cumprindo os meus deveres como membro da família imperial, cuidarei da minha própria vida", disse ela em entrevista coletiva ao lado do seu noivo.

Mako conheceu Kei Komuro na universidade. O jovem de 25 anos, que trabalha em um escritório de advocacia, disse que pediu a princesa em casamento há mais de três anos.

Mako vigia docemente seus passos "como a lua", afirmou com poesia, ao quê a princesa respondeu que seu sorriso era "como o sol".

O noivado deveria ser anunciado em julho, mas a notícia foi adiada em respeito pelas vítimas fatais das inundações no sudoeste do país.

Um funcionário da Casa Imperial disse que o casamento acontecerá após o verão de 2018.

O imperador Akihito e seus dois filhos casaram com plebeias, que agora integram a família imperial.

O imperador Akihito, que sucedeu em 1989 seu falecido pai Hirohito, expressou em agosto do ano passado o desejo de abdicar por sua idade avançada e uma lei está sendo preparada para que possa fazer isto em favor de seu filho, o príncipe herdeiro Naruhito.

Depois de Naruhito, seu irmão, o príncipe irmão Akishino, e o filho deste, Hisahito, de 10 anos, são os possíveis sucessores.

Mas depois não há mais herdeiros masculinos e linha de vários séculos de sucessão masculina pode ser interrompida se Hisahito não tiver um filho.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP