Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Policiais entram em confronto com manifestantes da oposição, em Caracas, no dia 1º de setembro de 2016

(afp_tickers)

A crise na Venezuela teve mais um capítulo nesta quinta-feira, com a oposição colocando milhares de pessoas nas ruas para exigir o referendo revogatório do mandato do presidente Nicolás Maduro.

Principais datas na disputa entre governo e oposição:

- 6 de dezembro de 2015: A oposição conquista 112 das 167 cadeiras na Assembleia Nacional e assume o controle do Congresso no mês seguinte.

- 15 de janeiro: Maduro decreta "estado de emergência econômica" por 60 dias, o que permite ao governo assumir o controle de empresas privadas, entre outras medidas. O recurso tem sido prorrogado desde então.

- 18 de fevereiro: Maduro anuncia a elevação de 6.000% no preço da gasolina, que estava congelado há 20 anos, a desvalorização do bolívar e o aumento do salário mínimo.

- 1 de março: O Tribunal Supremo de Justiça (TSJ) limita os poderes da Assembleia Nacional sobre os demais poderes: judiciário, eleitoral e cidadão.

- 8 de março: A oposição lança duas iniciativas para tirar Maduro do poder: um referendo revogatório de mandato e a modificação das Constituição para reduzir seu mandato de 6 para 4 anos.

- 7 de abril: A sexta-feira é declarada dia de descanso em todo o país para se enfrentar a crise energética provocada pela seca. A partir de 21 de abril, o fornecimento de energia é suspenso durante quatro horas diárias, por 40 dias, na maioria dos Estados do país.

- 26 de abril: o Conselho Nacional Eleitoral (CNE) autoriza a oposição a recolher as assinaturas necessárias (200 mil ou 1% do eleitorado) para ativar o pedido de referendo revogatório do mandato de Maduro.

- 27 de abril: A jornada de trabalho é reduzida a três dias semanais para o serviço público para poupar energia. Nas escolas, as aulas são reduzidas a quatro dias por semana.

- 3 de maio: A oposição entrega ao poder eleitoral 1,85 milhão de assinaturas a favor do referendo.

- 14 de maio: Maduro decreta o estado de exceção diante das "ameaças externas" e antecipa a ampliação da medida até 2017. O presidente determina ainda a ocupação das fábricas "paralisadas pela burguesia" e a prisão de empresários acusados de "sabotar o país".

- 20 e 21 de maio: Maduro organiza exercícios militares com mais de 500 mil homens, diante da ameaça de uma "intervenção estrangeira" para tirá-lo do poder.

- 8 de junho: O poder eleitoral reconhece 1,3 milhão de assinaturas a favor do referendo, que deverão ser ratificadas pessoalmente.

- 13 de junho: Maduro apresenta uma ação por "fraude" no recolhimento de assinaturas junto ao TSJ. Outros 8.600 recursos contra a consulta são apresentados pelo governo.

- 10 de julho: Milhares de venezuelanos cruzam a fronteira para comprar comida e remédios na Colômbia.

- 13 de julho: Maduro entrega aos militares o sistema de distribuição de alimentos, e ordena a intervenção nos cinco principais portos da Venezuela.

- 1º de agosto: O CNE confirma 399.412 firmas recolhidas em junho. Para a oposição, é crucial que o referendo se realize antes do dia 10 de janeiro de 2017, para que possam ser convocadas novas eleições caso Maduro seja removido.

- 9 de agosto: O poder eleitoral entrega um cronograma que torna quase impossível realizar o referendo em 2016. A última etapa antes da consulta, o recolhimento de quatro milhões de firmas (20% do eleitorado), ocorreria no final de outubro.

- 1 de setembro: Convocados pela oposição, milhares de venezuelanos ocupam as ruas na chamada "Tomada de Caracas", na maior mobilização dos últimos anos no país. Novos protestos são convocados para 7 e 14 de setembro.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP