Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O presidente cubano Raúl Castro (E) e o presidente americano Barack Obama, no Panamá, no dia 11 de abril de 2015

(afp_tickers)

Estados Unidos e Cuba terão, nesta quinta-feira, em Washington, uma nova rodada de negociações para tentar resolver os temas pendentes e avançar no restabelecimento de suas relações diplomáticas e na reabertura de embaixadas.

Confira abaixo a cronologia dessa reaproximação:

2014

17 dez: Os presidentes Barack Obama e Raúl Castro surpreendem o mundo ao anunciar que seus países vão restabelecer relações diplomáticas depois de meio século, após conversas secretas com o apoio do Vaticano e do Canadá.

20 dez: no Parlamento, Raúl Castro afirma que Cuba tem "disposição" para dialogar sobre qualquer tema com Washington, apesar das "profundas diferenças", mas destaca que continua em vigor o "bloqueio" econômico americano sobre a Ilha.

2015

12 jan: Cuba conclui a libertação de 53 detidos, considerados presos políticos pelos Estados Unidos. O passo foi comemorado por Washington.

15 jan: EUA anunciam novas regulações que vão facilitar as viagens e o comércio com Cuba. As determinações entram em vigor no dia seguinte.

19 jan: Seis legisladores democratas americanos, liderados pelo senador Patrick Leahy, encerram sua visita a Havana, depois de se reunirem com funcionários, dissidentes e o cardeal Jaime Ortega.

20 jan: Obama pede ao Congresso que inicie, em 2015, a discussão sobre a suspensão do embargo à Ilha.

22 jan: Roberta Jacobson (EUA) e Josefina Vidal (Cuba) lideram em Havana a primeira reunião sobre a reabertura de embaixadas. No encerramento, declaram que persistem "profundas diferenças", mas que o diálogo continuará.

23 jan: Mastercard informa que permitirá o uso, em Cuba, de seus cartões de crédito emitidos nos EUA. Cinco dias depois, a American Express faz um anúncio similar.

26 jan: Fidel Castro rompe seu silêncio sobre a aproximação EUA-Cuba. Embora desconfie de seu velho inimigo, Fidel diz não rejeitar os acordos para restabelecer relações bilaterais.

3 fev: Em uma audiência do Congresso em Washington, Roberta Jacobson afirma que a "completa normalização" dos laços com Cuba "levará anos".

9 fev: O serviço americano de vídeo on-demand Netflix começa a operar na Ilha, embora poucos cubanos tenham acesso à Internet em suas casas.

17 fev: Uma delegação de legisladores democratas dos EUA, liderada por Nancy Pelosi, visita Havana. Os congressistas tratam de direitos humanos com as autoridades cubanas.

27 fev: A segunda reunião bilateral em Washington termina sem anúncios, mas as partes envolvidas dizem que houve "progressos".

2 mar: Uma delegação agrícola americana visita Cuba, apostando no fim do embargo, que priva os produtores americanos de um mercado próximo.

4 mar: Começa a operar a "interconexão direta" telefônica entre ambos os países depois de décadas.

16 mar: Roberta Jacobson e Josefina Vidal se reúnem em Havana em seu terceiro encontro dedicado ao restabelecimento de laços diplomáticos.

21 mar: Uma delegação dos EUA visita Cuba para falar de telecomunicações.

24 mar: O Departamento do Tesouro dos EUA retira várias empresas e pessoas de sua lista de sanções comerciais por terem laços com Cuba.

31 mar: Funcionários de ambos os países conversam sobre direitos humanos em Washington.

11 abr: Obama e Raúl Castro se reúnem no Panamá, na Cúpula das Américas, o primeiro encontro entre presidentes de EUA e Cuba desde a revolução de 1959.

14 abr: Obama manifesta sua decisão de retirar Cuba da lista de países promotores do terrorismo.

21 abr: O governador Andrew Cuomo lidera uma missão do estado de Nova York a Havana, seguida por uma missão empresarial do Texas.

5 maio: Os EUA emitem, pela primeira vez em meio século, licenças para serviços de barca para a Ilha.

12 maio: Raúl Castro diz que os dois países poderão nomear embaixadores depois de 29 de maio, quando vence o prazo legal para que Obama retire Cuba da lista terrorista.

14 maio: Ambos os países anunciam que seus representantes vão se reunir em Washington, em 21 de maio.

AFP