Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(12 out) Azam al-Ahmad (d), do Fatah, e Saleh al-Aruri, do Hamas, assinam o acordo de reconciliação, no Cairo

(afp_tickers)

O movimento islamita Hamas cedeu à Autoridade Palestina, nesta quarta-feira (1º), o controle das fronteiras da Faixa de Gaza, no âmbito de um acordo de reconciliação assinado no mês passado para pôr fim a uma década de ruptura com seus rivais do Fatah.

Essa transferência do controle das fronteiras é vista como um grande teste desse acordo firmado em 12 de outubro, no Cairo.

Confira abaixo seus principais pontos, assim como os tópicos deixados em aberto:

- Principais pontos -

- Dominada pelo Fatah e baseada na Cisjordânia ocupada, a Autoridade Palestina retomará até 1º de dezembro o controle total da Faixa de Gaza, de onde foi cassada em junho de 2007.

- Todos os grandes movimentos palestinos, incluindo Fatah e Hamas, reuniram-se em novembro, no Cairo, para discussões em torno da formação de um governo de unidade nacional.

- O problema dos milhares de funcionários empregados pelo Hamas será resolvido até fevereiro de 2018.

- As medidas punitivas tomadas pela Autoridade Palestina contra o Hamas em Gaza, especialmente a redução dos pagamentos de energia elétrica, devem ser suspensas.

- Pontos em suspenso -

- O destino dos 25.000 homens do braço armado do Hamas - as Brigadas Ezzedin al-Qassam - ainda não foi abordado em nenhuma declaração pública. Israel garante que rejeitará qualquer acordo que não contenha a desmilitarização do Hamas, cujo desarmamento também é exigido pelos Estados Unidos. Israel já travou três guerras contra o Hamas desde 2008.

- O reconhecimento de Israel também não foi mais mencionado. Dirigida por Mahmud Abbas, a Organização para Libertação da Palestina (OLP) reconheceu Israel, ao contrário do Hamas.

Esse último foi classificado como uma organização terrorista por Israel, EUA e União Europeia (UE). Diplomatas de países ocidentais garantem que não aceitarão um governo com membros do Hamas, se este último não reconhecer Israel.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP