Navigation

Prisão de universitários causa revolta na Nicarágua

Estudantes de diferentes universidades protestam contra Daniel Ortega em 2 de agosto de 2018 em Manágua afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 05. setembro 2018 - 17:46
(AFP)

Seis estudantes universitários foram presos na noite de terça-feira em uma batida policial contra líderes dos protestos visando ao governo na Nicarágua, embora quatro deles tenham sido libertados horas depois, em um movimento que chocou a comunidade estudantil temerosa por sua segurança.

"Exigimos que os detidos sejam libertados imediatamente e que seus direitos constitucionais e, acima de tudo, seus direitos humanos sejam garantidos", exigiu a Universidade Centro-Americana (UCA) em um comunicado.

A UCA descreveu como "arbitrária" a prisão dos estudantes Ariana Moraga, Grecia Ramírez, Isquero Malespín, Edwin Carcache, Alejandro Centeno e Judith Mairena.

Quase dez horas após a prisão, as quatro mulheres foram libertadas. Nenhuma delas fez declarações, confirmou a oposição Civic Alliance (AC), que reúne grupos da sociedade civil.

Carcache, Mairena e Malespín eram delegadas da aliança de oposição que participa do diálogo nacional com o governo do presidente Daniel Ortega, sob a mediação da Igreja católica.

A polícia nicaraguense não se manifestou a respeito das prisões.

A diretora da Anistia Internacional para a América Latina, Erika Guevara Rosas, falou no Twitter sobre a captura dos estudantes e lembrou que, no dia 25 de agosto, pediu a Ortega informações sobre o paradeiro de outros sete estudantes presos.

Os estudantes começaram os protestos em 18 de abril contra uma reforma da previdência social, movimento que foi estendida a outros setores sociais até que se tornou uma exigência de renúncia para Ortega e sua esposa e vice-presidente, Rosario Murillo.

A violência generalizada durante 140 dias deixou mais de 320 mortos, 2000 feridos e um número desconhecido de detidos, desaparecidos e milhares de refugiados nos países vizinhos.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.