Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

A ex-presidente Cristina Kirchner, em Buenos Aires, em 20 de junho de 2017

(afp_tickers)

Um procurador argentino pediu nesta terça-feira a detenção do ex-ministro de Cristina Kirchner (2007-2015) e atual deputado Julio de Vido, suspeito de desvio de fundos da mineradora estatal de Río Turbio (sul).

A medida foi pedida pelo procurador Carlos Stornelli, que investiga o suposto desvio de cerca de 26 bilhões de pesos (1,53 bilhão de dólares) entre 2005 e 2015, durante os governos de Néstor Kirchner (2003-2007) e de sua esposa, Cristina.

A investigação é por suposta "fraude à administração pública e malversação de fundos" e envolve outras 23 pessoas, segundo decisão divulgada pela agência estatal Télam.

"Isso é parte da campanha política do PRO (o partido do presidente Macri) para as eleições. Estão vendo uma derrota eleitoral em agosto e em outubro e fazem isso", comentou De Vido ao canal Todo Noticias.

O presidente Macri disse em entrevista ao canal de TV Cadena 3 de Córdoba que "acabou a impunidade".

AFP