Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

A procuradora-geral da Venezuela, Luisa Ortega, em entrevista coletiva, na sede da Procuradoria, em Caracas, em 4 de julho de 2017

(afp_tickers)

A procuradora-geral venezuelana, Luisa Ortega, garantiu neste sábado (15) que não teme se submeter ao detector de mentiras como pediu o Tribunal Supremo de Justiça, no momento em que este avalia se irá processá-la e eventualmente destituí-la do cargo.

"Não tenho nenhum temor de me submeter ao teste do polígrafo, mas não posso fazê-lo se esse teste for dirigido por um Tribunal Supremo de Justiça (TSJ) ilegítimo, cujo poder não reconheço", declarou, em vídeo postado no Twitter.

Ortega disse que o polígrafo é tão questionado "quanto a tortura", porque viola "os direitos humanos, o devido processo e a dignidade das pessoas".

Ela assegurou, porém, que está disposta a passar pelo detector de mentiras, se o TSJ reconhecer que esse teste viola os direitos humanos e se comprometer a não realizá-lo novamente.

"Estou disposta a sacrificar meu próprio direito para proteger o resto do país de semelhante abuso de poder", acrescentou.

O TSJ citou Ortega para se submeter ao teste na próxima segunda-feira (17), na sede da Polícia Científica (CICPC). O deputado governista Pedro Carreño pede a destituição de Ortega por ter mentido, ao afirmar que não apoiou a designação de 33 magistrados do TSJ.

A procuradora-geral diz que nunca assinou a ata de seleção desses juízes, os quais foram designados pelo Parlamento em dezembro de 2015. Nessa época, a Casa ainda estava sob controle do chavismo.

Ortega considera que o processo é uma "perseguição", ressaltando que o TSJ proibiu sua saída do país e congelou seus bens.

A procuradora-geral se distanciou do presidente Nicolás Maduro há três meses e meio, após denunciar uma "ruptura da ordem constitucional" por decisões do TSJ que retiraram competências do Legislativo, agora dominado pela oposição.

Desde então, começou uma onda de protestos contra o governo que já deixou 95 mortos.

Essa chavista histórica se tornou uma ferrenha adversária do presidente, contrária à Assembleia Constituinte convocada por ele, por considerar que o processo atenta contra a democracia.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP