Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) Foto tirada em 24 de janeiro de 2012 mostra Porsche 911 em Stuttgart

(afp_tickers)

Procuradores alemães anunciaram nesta segunda-feira uma investigação a funcionários da fabricante de carros esportivos de luxo Porsche, subsidiária da Volkswagen, sobre a fraude das emissões.

Procuradores da cidade de Stuttgart, bastião da indústria automobilística, disseram em um pronunciamento que abriram uma investigação sobre "anônimos trabalhando para a fabricante de veículos e subsidiária americana".

A investigação sobre "suspeita de fraude e publicidade falsa" deriva de "possível manipulação do tratamento de exaustão em veículos a diesel da Porsche AG".

O porta-voz da Porsche Christian Weiss disse à AFP que a empresa "leva as investigações da procuradoria muito a sério" e que fará "o máximo para esclarecer a questão o mais rápido possível".

A Volkswagen, maior fabricante de veículos do mundo, admitiu, em setembro de 2015, o uso de um dispositivo que adulterava o resultado dos testes de poluição ao dissimular as emissões em cerca de 11 milhões de carros no mundo todo.

O dispositivo permitia que os veículos tivessem níveis de emissão de óxido de nitrogênio até 40 vezes superiores aos autorizados.

Nos Estados Unidos, a Volkswagen foi acusada civil e criminalmente e condenada a pagar multas de 4,3 bilhões de dólares. A fabricante aceitou pagar cerca de 23 bilhões de dólares em compensação aos 600 mil proprietários de carros.

Procuradores de Munique, na Alemanha, prenderam na semana passada um executivo da Audi procurado nos Estados Unidos pelo envolvimento no escândalo.

O suspeito coordenou uma equipe de engenheiros responsáveis por elaborar os sistemas de controle de emissão de veículos a diesel nos Estados Unidos entre 2006 e 2015.

AFP