Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Símbolo do Mercosul em Mendonça, Buenos Aires, Argentina no dia 28 de junho de 2012

(afp_tickers)

Procuradores dos países do Mercosul rejeitaram nessa sexta-feira as ameaças da situação venezuelana de destituir a procuradora-geral, Luisa Ortega, citada a comparecer à corte na terça-feira, em uma audiência que decidirá se ela será submetida a julgamento.

Os procuradores do bloco "rejeitam qualquer pretensão de remoção" da procuradora venezuelana "por fora dos canais legais e constitucionais", disse o comunicado divulgado pelo Ministério Público da Venezuela.

O pedido do deputado chavista Pedro Carreño, o Tribunal Supremo Tribunal de Justiça (TJS), acusado de servir ao governo, aceitou na quarta-feira avaliar a possibilidade de denunciar a procuradora, proibida de sair do país e com bens e contas bancárias congelados.

Carreño argumenta que a procuradora "mentiu" ao dizer que não havia aprovado a seleção de 33 magistrados, que segundo ela foram designados irregularmente pelo anterior Parlamento de maioria chavista, em dezembro de 2015.

A destituição da procuradora só pode ser decidida pela Assembleia Nacional, atualmente controlada pela oposição.

No documento, os procuradores consideraram "fundamental que se respeite a autonomia e independência do Ministério Público venezuelano no legítimo exercício de suas funções" e pediram respeito a "seu direito à defesa".

Além disso, "rejeitam qualquer ato de assédio, perseguição e ameaça que possar colocar em risco a integridade pessoal da procuradora e de seus familiares, assim como dos funcionários que integram o Ministério Público venezuelano".

A resolução em apoio a Ortega foi emitida nesta sexta-feira em uma reunião em Buenos Aires de Ministérios Públicos de Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai -que fazem parte do bloco- e que contou com a participação dos procuradores-gerais de Chile e Peru, países associados.

AFP