Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Luisa Ortega, em Caracas, no dia 4 de julho de 2017

(afp_tickers)

A procuradoria venezuelana pediu neste sábado que sejam revisadas medidas cautelares a favor de opositores presos na Venezuela, após a saída da prisão de Leopoldo López para cumprir pena domiciliar, autorizada pela suprema corte do país.

O Ministério Público "solicitou a revisão" de três emblemáticos casos: os dos prefeitos Antonio Ledezma e Daniel Ceballos e o do ativista Lorent Gómez Saleh, informou o órgão no Twitter, junto com imagens dos documentos com os quais formaliza a ação legal.

A instituição liderada pela procuradora-geral, Luisa Ortega, chavista que se tornou uma dura crítica do governo do presidente Nicolás Maduro, pediu medidas "substitutivas de liberdade" para os três.

Devido a "problemas de saúde", o Tribunal Supremo de Justiça (TSJ) outorgou na madrugada de sábado prisão domiciliar a López, que havia cumprido três anos e cinco meses da condenação de quase 14 anos imposta por incitar a violência nos protestos contra Maduro que deixaram 43 mortos em 2014.

O MP também interpôs uma "ação de habeas corpus" para restituir a liberdade de 14 funcionários da polícia do município Chacao -bastião opositor em Caracas-, presos na sede do serviço de inteligência apesar da ordem de liberdade de tribunais desde agosto do ano passado.

AFP