AFP

(Arquivo) O técnico do Manchester United, José Mourinho

(afp_tickers)

A Procuradoria de Madri apresentou uma denúncia contra o técnico português José Mourinho, atualmente no Manchester United, por uma suposta fraude fiscal de 3,3 milhões de euros.

A fraude teria sido cometida no imposto de renda durante os anos fiscais de 2011 e 2012, quando o português era técnico do Real Madrid, clube que comandou entre 2010 e 2013.

A denúncia, segundo o comunicado divulgado nesta terça-feira pelo MP da província de Madri, foi apresentada ao juiz de instrução de Pozuelo de Alarcón, um município rico ao lado da capital espanhola.

"No total, a quantidade fraudada chega a 3.304.670 euros (1.611.537 euros em 2011 e 1.693.133 euros em 2012)", afirma o comunicado.

A denúncia contra Mourinho coincide com a crise ao redor de seu compatriota Cristiano Ronaldo, que foi acusado pela Promotoria por uma suposta fraude de 14,7 milhões de euros, relacionada cos direitos de imagem.

Ronaldo, que foi comandado por Mourinho durante três temporadas no Real Madrid, estaria muito irritado com a investigação e, segundo a imprensa esportiva espanhola e portuguesam teria manifestado a intenção de abandonar o clube merengue.

Um dos pretendentes, de acordo com a imprensa, seria justamente o Mánchester United, equipe que Cristiano Ronaldo defendeu antes de ser contratado pelo Real Madrid em 2009. E o clube inglês atualmente é treinado justamente por Mourinho.

Na segunda-feira à noite, o presidente do Real Madrid, Florentino Pérez, disse que não recebeu nenhuma oferta por Cristiano Ronaldo, que permanece em silêncio.

O atacante português foi convocado a depor em 31 de julho pela justiça espanhola, informou nesta terça-feira uma fonte judicial.

O astro do Real Madrid, de 32 anos, é esperado às 11h00 (6h00 de Brasília) para ser ouvido a respeito de quatro supostos delitos cometidos contra o Tesouro Público espanhol, segundo a fonte.

A Procuradoria suspeita que o atleta utilizou várias sociedades no exterior para esconder do fisco rendas geradas por direitos de imagem.

AFP

 AFP