Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Memorial em homenagem às vítimas no local do ataque, no dia 1º de novembro de 2017, em Nova York

(afp_tickers)

A procuradoria federal de Nova York anunciou nesta quarta-feira que denunciará por terrorismo o uzbeque Sayfullo Saipov, autor do atentado que na véspera deixou oito mortos e doze feridos em Manhattan.

Os procuradores divulgaram um documento no qual denunciam Saipov por apoio material e de recursos à organização estrangeira terrorista e por violência e destruição com veículo.

O procurador interino de Manhattan, Joon Kim, formalizará a denúncia às 17H45 local (19H45 Brasília).

A acusação é baseada no depoimento que Saipov prestou às autoridades no hospital, onde está após ser baleado na terça-feira logo após cometer o atentado.

Inspirado em vídeos difundidos pelo grupo Estado Islâmico (EI), Saipov reconheceu que planejou o atentado "há cerca de um ano", antes de decidir, há dois meses, que utilizaria uma grande caminhonete para "causar o máximo de vítimas", segundo a procuradoria.

Saipov também revelou ter alugado uma caminhonete, no dia 22 de outubro, para treinar e escolheu o dia do Halloween "para ter certeza de que haveria muita gente nas ruas".

Após atropelar cerca de 20 pedestres e ciclistas, Saipov gritou "Alá é grande" em árabe.

Finalmente, bateu contra um ônibus escolar, o que o impediu de seguir atropelando pedestres até a ponte do Brooklyn, precisou a procuradoria.

Saipov reconheceu ainda ser o autor das notas em árabe que mencionam o grupo Estado Islâmico e foram encontradas próximas a caminhonete utilizada no ataque.

Saipov pediu para colocar a bandeira negra do Estado Islâmico em seu quarto do hospital e se disse "satisfeito com o que fez", segundo a promotoria.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP