Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O produtor canadense Gilbert Rozon, em Montreal

(afp_tickers)

O produtor canadense Gilbert Rozon, fundador do festival "Just For Laughs" de Montreal, foi acusado nesta quinta-feira (19) de atos de agressão sexual, que o obrigaram a abandonar suas funções, no rastro do caso do produtor de Hollywood Harvey Weinstein.

A celebridade quebequense e conhecida na França por ser membro do júri de um programa do canal M6 se demitiu na noite de quarta-feira de vários cargos pouco antes do jornal Le Devoir e da rádio 98,5 FM revelarem os depoimentos de nove mulheres que o acusaram de abusos sexuais.

"Sacudido pelas denúncias que me concernem, espero dedicar todo o meu tempo a avaliar a situação. A todas e todos que ofendi durante a minha vida, digo sinceramente que sinto muito", escreveu no Facebook o influente empresário do ramo do entretenimento.

Agressões físicas, verbais e inclusive estupros: os depoimentos das nove mulheres que detalham seus encontros com Gilbert Rozon desenham um retrato demolidor do produtor de 62 anos.

"Me assediou durante vários meses", admite Anne-Marie Charette ao jornal Le Devoir, contando de uma ocasião em que fugiu de um quarto de hotel onde estava com Rozon.

"Nunca pensei em denunciá-lo ou apresentar uma ação. Na minha cabeça sabia que era um estupro, mas me questionava se não teria feito algo errado", contou a diretora Lyne Charlebois, que sustenta ter sido estuprada há mais de 30 anos.

Ao menos uma das supostas vítimas, a empresária Geneviève Allard, apresentou uma denúncia à Polícia em dezembro pelos feitos que se remontam ao último verão, quando encontrou com Gilbert Rozon em um programa de televisão, segundo as mesmas fontes. Algumas mulheres eram menores de idade quando os feitos ocorreram.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP