Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) Um carro da polícia é visto em frente a uma escola, em Lima, no dia 10 de junho de 2015

(afp_tickers)

A polícia peruana informou nesta quinta-feira que capturou um professor acusado de abusar sexualmente de ao menos 17 meninas no colégio onde trabalhava, na região de Cajamarca, no norte do país.

Luis Vásquez da Silva, que estava sendo buscado há semanas, estava escondido em uma casa situada em uma estrada da região de Loreto (nordeste), na selva do Peru.

"Após uma operação policial, conseguimos capturar nesta manhã este indivíduo, requerido pelo delito de estupro de menores em Cajamarca", disse à AFP o general Julio Mercado, chefe da polícia de Loreto.

Mercado afirmou que o professor, de 66 anos, planejava fugir do Peru pela região amazônica, rumo ao Brasil ou a Colômbia.

"Graças à captura, conseguimos frustrar sua fuga. Agora, Vásquez da Silva se encontra em uma prisão de Iquitos, para ser trasladado nas próximas horas a Lima e depois a Cajamarca, onde será processado judicialmente", indicou o policial.

O governo peruano tinha oferecido uma recompensa de 5.900 dólares pela captura do professor, acusado de suposto estupro de pelo menos 17 meninas de entre 9 e 12 anos.

O suspeito trabalhava como professor em um colégio na localidade de Cajabamba, serra norte do Peru, há cinco anos. O "monstro de Cajabamba", como passou a ser chamado na localidade, fugiu quando o caso foi revelado.

Segundo a imprensa, o professor também batia, insultava e ameaçava as estudantes, de acordo com depoimentos de pais que se juntaram a comitês de autodefesa integrados por camponeses, que costumam aplicar punições extremas à margem da lei, para procurá-lo.

AFP