AFP

Manifestantes nos Estados Unidos

(afp_tickers)

Ao menos 300 pessoas protestaram nesta quinta-feira, em Manhattan, contra o presidente Donald Trump, que retornou à cidade esta noite, pela primeira vez desde que assumiu o poder, no dia 20 de janeiro.

Convocados por várias organizações, os manifestantes se concentraram na zona do USS Intrepid, um porta-aviões da Segunda Guerra Mundial transformado em museu e atracado no oeste de Manhattan.

O presidente chegou a Manhattan por volta das 19H00 local (20H00 Brasília) para se encontrar com o primeiro-ministro da Austrália, Malcolm Turnbull.

Batendo panelas e gritando "Hey Hey Ho Ho Donald Trump deve partir" ou "Esta é a democracia", os manifestantes seguiram em direção ao porta-aviões, que integra um grande museu.

"Estou aqui para mostrar minha rejeição a Donald Trump, com o exemplo que dá e como dirige o país", disse à AFP um dos organizadores do protesto, Flav Maximus. "Ele contradiz tudo os que os Estados Unidos representam em termos de inclusão e coexistência pacífica".

Outros 200 manifestantes se reuniram diante da Trump Tower, na 5ª Avenida de Nova York, onde Trump residia antes de se mudar para a Casa Branca.

O presidente deveria chegar mais cedo em Nova York, mas atrasou a viagem para aguardar o resultado da votação na Câmara do projeto de lei que modifica o sistema de assistência médica conhecido como Obamacare.

O texto, adotado pela Câmara de Representantes e que será analisado agora pelo Senado, é uma vitória para Trump, que prometeu acabar com o Obamacare durante a campanha eleitoral.

AFP

 AFP