Navigation

Protestos no Haiti somam mais de 40 mortos desde setembro

As manifestações contra o presidente Jovenel Moise, criticado por um setor importante da sociedade desde que chegou ao poder em fevereiro de 2017, acentuaram-se após uma escassez generalizada de combustível em todo o país afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 01. novembro 2019 - 16:30
(AFP)

Pelo menos 42 pessoas morreram e 86 ficaram feridas desde meados de setembro no Haiti, país abalado por uma nova onda de protestos contra o presidente - informou a ONU nesta sexta-feira (1º), pedindo um diálogo entre os haitianos.

Segundo informações do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos, "as forças de segurança são responsáveis por 19 mortes, enquanto o restante das vítimas foi morto por homens armados não identificados", disse a porta-voz Marta Hurtado, em uma coletiva de imprensa, em Genebra.

As manifestações contra o presidente Jovenel Moise, criticado por um setor importante da sociedade desde que chegou ao poder em fevereiro de 2017, acentuaram-se após uma escassez generalizada de combustível em todo o país.

Periodicamente, são erguidas barricadas nas principais estradas e são organizadas manifestações que impedem o funcionamento regular de escolas, hospitais, estabelecimentos comerciais e administrações.

O Conselho de Segurança das Nações Unidas encerrou, em meados de outubro, 15 anos de operações de paz no Haiti, seguido por uma simples missão política.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.