Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) O presidente russo, Vladimir Putin

(afp_tickers)

Impedir a participação de atletas russos nos Jogos Olímpicos de inverno em Pyeongchang-2018 seria "uma humilhação para a Rússia" e "lesaria o movimento olímpico", alertou nesta quinta-feira o presidente russo, Vladimir Putin.

"Há duas opções: forçar a Rússia a participar sob bandeira neutra ou não autorizá-la em absoluto a estar nos Jogos Olímpicos. As duas constituem uma humilhação para o país", declarou Putin em coletiva de imprensa realizada em Sochi.

"Se alguém acredita que isto influenciará a campanha presidencial da próxima primavera, se equivoca totalmente. O efeito será contrário. E lesará o movimento olímpico".

A quatro meses dos Jogos Olímpicos de 2018 (9-25 de fevereiro), o Comitê Olímpico Internacional (COI) busca definir em que condições permitiria aos atletas russos competirem, em meio ao escândalo de doping que afeta o país nos últimos anos.

Segundo o presidente russo, o COI cedeu à pressão "dos patrocinadores e das emissores de televisão" e esses patrocinadores "cedem por sua vez aos sinais ambíguos das entidades americanas".

A Rússia está no centro de um escândalo de doping. O jurista canadense Richard McLaren alertou em 2016 para a existência de um sistema de doping institucionalizado no esporte russo, revelando especialmente a participação dos serviços secretos russos (FSB) na ocultação de amostras positivas de atletas do país nos Jogos de inverno de Sochi-2014.

O COI criou duas comissões encarregadas de investigar com mais profundidade as acusações referentes aos Jogos Olímpicos de 2014. Os relatórios destas duas comissões deverão servir de base ao COI para eventuais punições contra a Rússia.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP