Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Vladimir Putin inaugura em 30 de outubro de 2017 em Moscou o memorial às vítimas da repressão política

(afp_tickers)

Vladimir Putin inaugurou nesta segunda-feira (30), em Moscou, um memorial em homenagem às vítimas da repressão política, assegurando querer, desta forma, "deixar para trás" as divisões do passado, apesar das acusações de "hipocrisia" por parte de políticos soviéticos.

Primeiro monumento nacional do gênero na Rússia, este "Muro da dor" em alto relevo, feito em bronze, é composto por centenas de silhuetas humanas. Ele foi erguido na avenida Sakharov, batizada assim em homenagem ao dissidente soviético morto e prêmio Nobel da Paz, Andrei Sakharov.

Apoiada pela principal ONG de direitos humanos russa, a Memorial, e pela Fundação Solzhenitsyn, a inauguração aconteceu no dia oficial de homenagem às vítimas da repressão política, comemoração instaurada em 1991.

"A inauguração deste monumento é particularmente importante no momento em que se recorda do 100º aniversário da Revolução" russa de 1917, declarou o presidente Putin nesta segunda-feira, durante uma reunião do conselho consultivo de direitos humanos do Kremlin.

Cerca de quarentena políticos russos classificaram a inauguração do monumento de "hipocrisia, em um contexto em que a "repressão política" se multiplica, segundo eles, contra a sociedade civil e os opositores na Rússia.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP