Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(2005) A alemã Annegret Raunnigk (sentada, de saia) participa, com filhos e netos, de um programa da TV alemã

(afp_tickers)

Três meses depois de seu nascimento, os quadrigêmeos prematuros cuja mãe tem 65 anos deixaram o hospital e já estão em casa, informou o hospital nesta quinta-feira.

"Quando bebês prematuros se aproximam da data do parto inicialmente prevista, então é hora de deixar o hospital", declarou o chefe de neonatologia do Hospital de Caridade de Berlim, Christoph Bührer, afirmando que "muitas vezes eles voltam para casa antes desta data".

Os três meninos, Dries, Fjonn e Bence, bem como sua irmã Neeta, pesavam apenas entre 655 e 960 gramas no nascimento, em 19 de maio. Atualmente, os quatro pesam mais do que 2,5 kg cada.

Sua mãe, Annegret Raunigk, recorreu à fertilização in vitro na Ucrânia e deu à luz a quadrigêmeos por cesariana depois de apenas 26 semanas de gravidez.

Segundo o professor Wolfgang Heinrich, diretor de obstetrícia do hospital, é um "caso único no mundo".

Esta professora aposentada já era mãe de treze filhos concebidos com cinco pais diferentes, e tem sete netos.

O canal de televisão RTL acompanhou esta gravidez rara como se fosse uma novela, obtendo entrevistas exclusivas e imagens da mãe e seus bebês. O montante do contrato assinado com a empresa não foi divulgado.

Este caso extraordinário provocou um intenso debate na Alemanha, onde muitas pessoas censuraram a falta de responsabilidade da mãe.

Em abril, Raunigk rechaçou as críticas dizendo que é direito de cada um decidir o momento de procriar. "As crianças me mantém ficar jovem", argumentou.

AFP