Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O presidente chinês Xi Jinping, no dia 25 de outubro de 2017, em Pequim

(afp_tickers)

Os quatro maiores bancos estatais da China relataram, nesta segunda-feira (30), alta do lucro acima do esperado no terceiro trimestre, após o presidente Xi Jinping enfatizar a importância do setor público para a economia, neste mês.

O lucro líquido dos quatro bancos - Banco Industrial e Comercial da China (ICBC), Bank of China (BOC), Banco de Construção da China (CCB) e Banco Agrícola da China - cresceu entre julho e setembro, em relação ao mesmo período do ano anterior, de acordo com os dados da Bolsa de Hong Kong.

O ICBC, o maior banco do mundo em ativos, teve lucro líquido de 75 bilhões de iuanes (11,3 bilhões de dólares) no trimestre, alta de 3,35% ante 2016.

Os resultados trimestrais do Bank of China foram afetados pelo perdas por imparidades, e a instituição registrou a menor expansão do lucro das quatro, de apenas 0,10%, a 41,82 bilhões de iuanes (6,29 bilhões de dólares).

O lucro líquido do CCB teve alta de 4,1% no trimestre, a 62,9 bilhões de iuanes (9,46 bilhões de dólares).

No Banco Agrícola da China, o lucro líquido subiu a 51,42 bilhões de iuanes (7,74 bilhões de dólares), uma alta de 4,89%.

A receita de empréstimos no CCB, no BOC e no ICBC cresceu mais de 10% no período, em relação ao mesmo intervalo do ano passado. O BOC liderou o grupo, com alta de 15% da receita de empréstimos para o trimestre.

"Este trimestre representa os esforços dos bancos para impulsionar os resultados a bater as metas anuais", declarou à revista Bloomberg News, Hao Hong, estrategista-chefe e diretor de pesquisa da Bocom International Holdings Co., de Hong Kong. "Os bancos estão afrouxando o crédito, apesar de todas as conversas sobre desalavancagem".

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP