Navigation

Quatro policiais egípcios morrem em ataque no Sinai

Destruição em um prédio de telecomunicações em obras, após a explosão das bombas afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 28. junho 2014 - 15:55
(AFP)

Quatro policiais egípcios foram executados na região do Sinai neste sábado, informaram as forças de segurança, que responsabilizaram os militantes extremistas.

Os agentes foram mortos a tiros "na estrada entre as cidades de Rafah y Al-Arish, no norte do Sinai", disse à AFP uma fonte dos serviços de segurança.

"Elementos 'tafkiri' (extremistas) forçaram a freada da caminhonete em que viajavam, obrigaram-nos a descer e executaram os policiais", acrescentou a fonte, relatando que os agressores fugiram pelo deserto em um 4x4.

As vítimas voltavam para suas unidades depois de suas folgas, segundo a mesma fonte.

Esse ataque aconteceu algumas horas depois da morte de duas mulheres, mãe e filha, na explosão de duas bombas de fabricação artesanal no subúrbio do Cairo.

Os dois artefatos, colocados em um centro de telecomunicações em obras, foram detonados por telefone à 9h (4h no horário de Brasília), informou um investigador.

As duas vítimas são a mulher e a filha do zelador do prédio atingido, de acordo com fontes médicas.

Testemunhas disseram que a explosão foi potente, fazendo tremer as janelas dos imóveis vizinhos.

Na última quarta, 25 de junho, a cidade do Cairo já havia sido abalada por seis deflagrações de baixa potência em estações do metrô e em um tribunal. Seis pessoas ficaram feridas no episódio.

Os atentados acontecem em meio a uma guerra judicial iniciada pelo governo egípcio contra os islamistas. Há algumas semanas, 183 pessoas foram condenadas à pena de morte, entre elas o guia supremo da Irmandade Muçulmana, organização integrada pelo ex-presidente Mohamed Mursi, derrubado há quase um ano pelo Exército.

De acordo com o governo, mais de 500 policiais e soldados morreram em múltiplos atentados, quase todos reivindicados por grupos de insurgentes jihadistas que afirmam pertencer à Al-Qaeda. O governo atribui os ataques à Irmandade Muçulmana.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.