Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Os ministros do Interior do G7, reunidos na ilha italiana de Ischia, iniciaram nessa sexta-feira suas negociações com um primeiro debate sobre a ameaça terrorista dos combatentes estrangeiros que fugiram após a queda de vários bastiões extremistas no Iraque e na Síria

(afp_tickers)

Os ministros do Interior do G7, reunidos na ilha italiana de Ischia, iniciaram nessa sexta-feira suas negociações com um primeiro debate sobre a ameaça terrorista dos combatentes estrangeiros que fugiram após a queda de vários bastiões extremistas no Iraque e na Síria.

Após a liberação de Raqa, ex-reduto da organização Estado Islâmico (EI) na Síria, o mundo se preocupa com o destino de entre 25.000 e 30.000 combatentes estrangeiros do grupo, que formam um contingente treinado capaz de espalhar-se pelo mundo.

Uma segunda sessão de trabalho prevista para o fim do dia abordará o "terrorismo" pela internet, na presença de representantes de quatro grandes empresas do setor: Google, Facebook, Twitter e Microsoft.

Os membros del G7 -Estados Unidos, Canadá, Alemanha, França, Reino Unido, Itália e Japão-, um grupo informal de países importantes em nível econômico, político e militar, esperam concluir um compromisso comum sobre este tema antes da declaração final da cúpula.

"Nosso objetivo é uma grande aliança entre os governos e os provedores de serviços na internet. É preciso encontrar a forma de intervir sem colocar em risco a grande abertura democrática permitida pelas redes sociais e o acesso à internet", declarou nesta quinta-feira o ministro italiano de Marco Minniti.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP