Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Manifestantes vestidos com roupas de presidiários pedem o fechamento da Prisão de Guantánamo, em frente à Casa Branca, em Washington, em 23 de maio de 2014.

(afp_tickers)

Um condenado à morte foi executado nesta quarta-feira no estado do Missouri (Estados Unidos), anunciou um porta-voz da penitenciária onde ocorreu a primeira execução desde a de Joseph Wood, que no mês passado morreu após uma agonia de duas horas.

"Michael Worthington foi executado por injeção letal às 00h01 na prisão de Bonne Terre (Missouri) pela morte em 1995 de Melinda 'Mindy' Griffin. Sua morte foi certificada às 00h11", segundo um comunicado.

O condenado reconheceu a morte e o estupro de sua vizinha. Tentou evitar a execução ao afirmar que atuou sob os efeitos da cocaína e do álcool.

Joseph Wood, executado no dia 23 de julho no Arizona ao término de um procedimento excepcionalmente longo de duas horas, recebeu 15 vezes acima as doses fatais prescritas de dois produtos, segundo seus advogados.

"Ao invés de receber uma dose como exige o protocolo, a ADC injetou doses separadas de uma combinação de medicamentos, o que prolongou a execução, convertendo-a na mais longa da história recente", explicou o advogado Dale Baich.

A execução de Joseph Wood, de 55 anos, condenado pelo duplo homicídio de sua namorada e do pai dela em 1989, durou 117 minutos, e não os 10 minutos habituais.

Esta agonia relançou nos Estados Unidos o debate sobre a injeção letal como método de execução. No fim de abril, em Oklahoma, um preso morreu 43 minutos depois de receber a injeção de um coquetel de três produtos que lhe causaram um sofrimento visível.

AFP