Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) A porta-voz da chancelaria russa, Maria Zakharova

(afp_tickers)

A Rússia acusou os Estados Unidos, nesta segunda-feira (28), de quererem "agravar as tensões" na Venezuela com a adoção de novas sanções contra o governo de Nicolás Maduro.

"Essas sanções contra os setores financeiro e petroleiro da Venezuela têm como objetivo (...) agravar os problemas econômicos" no país, declarou a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Maria Zakharova, citada em um comunicado.

As sanções "alimentam a parte intransigente (da oposição), que apenas vê uma oportunidade política mediante a exclusão das autoridades venezuelanas", acrescentou.

"A própria lógica das sanções conduz a um agravamento das tensões", afirma.

Na sexta-feira passada, o presidente americano, Donald Trump, proibiu por decreto a negociação da dívida emitida pelo governo venezuelano e por sua companhia petrolífera estatal, a PDVSA. Foram as primeiras sanções contra o país após as decretadas contra o presidente Nicolás Maduro e alguns de seus colaboradores.

Trump também alertou para uma eventual "opção militar" diante da grave crise política e econômica do país, com protestos nas ruas que já deixaram 125 mortos desde abril.

Maduro chamou essas sanções de "brutal agressão", enquanto a aliança opositora Mesa da Unidade Democrática (MUD) lançou no domingo à noite um comunicado apoiando as medidas.

Aliada de Moscou na América Latina, a Venezuela está mergulhada há meses em uma grave crise econômica, política e institucional.

"Vamos examinar atentamente as consequências das sanções impostas pelos Estados Unidos e seu eventual impacto sobre os interesses da Rússia e dos empresários russos", assegurou Zakharova.

"Mas, desde já, podemos dizer que não vão influenciar nossa vontade de desenvolver e reforçar a cooperação com a Venezuela", acrescentou a porta-voz.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP