Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

A Rússia decidiu nesta sábado impor sanções contra 12 soldados americanos que são, segundo ela, culpados de tortura nas prisões de Guantánamo e Abu Ghraib, em resposta a novas sanções contra a Rússia por Washington na quarta-feira

(afp_tickers)

A Rússia decidiu nesta sábado impor sanções contra 12 soldados americanos que são, segundo ela, culpados de tortura nas prisões de Guantánamo e Abu Ghraib, em resposta a novas sanções contra a Rússia por Washington na quarta-feira.

O ministério russo das Relações Exteriores publicou em seu site uma lista de 12 nomes de soldados americanos, incluindo o comandante das forças americanas estacionadas no enclave de Guantánamo e de um juiz que negou o pedido de um preso para que parassem a alimentação forçada durante o mês de jejum do Ramadã.

Estas 12 pessoas estão, portanto, proibidas de entrar em território russo.

A prisão americana em Guantánamo, em um enclave da ilha de Cuba, é famosa por abrigar, há mais de 12 anos, suspeitos de terrorismo, muitos deles sem acusação ou julgamento.

A lista do ministério russo também inclui soldados que serviram na prisão americana de Abu Ghraib, no Iraque, onde os detidos foram sujeitos a tortura e maus-tratos.

A Rússia já havia publicado uma "lista de Guantánamo" inicial de 18 nomes no ano passado, em resposta à aprovação pelo Congresso americano de uma "lista Magnitsky", o nome do advogado Sergei Magnitsky morto em uma prisão de Moscou, por falta de cuidados médicos.

Washington decidiu na quarta-feira reforçar suas sanções contra a Rússia pelo seu papel na crise ucraniana, especialmente contra a gigante petrolífera russa Rosneft.

AFP