Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) O premier russo, Dmitri Medvedev

(afp_tickers)

A Rússia denunciou uma "guerra econômica" iniciada por Washington depois que o presidente americano, Donald Trump, promulgou, nesta quarta-feira, novas sanções contra Moscou.

As sanções reclamadas pelo Congresso dos Estados Unidos são uma "declaração de guerra econômica total contra a Rússia e marcam o fim das esperanças russas para uma melhora nas relações com a nova administração americana", escreveu o primeiro-ministro russo, Dmitri Medvedev, no Facebook.

"A administração Trump mostrou sua total fragilidade ao ceder o Poder Executivo ao Congresso da forma mais humilhante".

O jornal popular Komsomolskaia Pravda fez a mesma interpretação de Medvedev: "Não se trata mais de sanções, e sim de saber quem é o verdadeiro dono da casa em Washington".

"A melhora nas relações com a Rússia se torna agora uma questão de vida ou morte para o 45º presidente americano. Se não conseguir dizer 'não' à oposição, o próximo projeto de lei poderia ser uma moção de censura contra ele", completa o jornal russo.

Trump promulgou na quarta-feira as novas sanções econômicas contra a Rússia, mas se distanciou do texto, que considerou "muito imperfeito" e que dificulta sua intenção de avançar nas relações com Moscou.

Os congressistas americanos aprovaram as sanções por ampla maioria na semana passada e Trump decidiu acatar a decisão, já que o Congresso poderia derrubar seu veto com facilidade ao reunir dois terços do voto a favor da lei na Câmara de Representantes e no Senado.

"Ao limitar a margem de manobra do Executivo, esta lei impõe obstáculos à capacidade dos Estados Unidos de fechar bons acordos para o povo americano e vai aproximar a China, Rússia e Coreia do Norte", declarou Trump.

As novas sanções, que afetam sobretudo o setor de energia da Rússia, punem Moscou pelas suspeitas de interferência russa nas eleições americanas de 2016, assim como pela anexação da Crimeia e suas ações no leste da Ucrânia, onde, segundo vários países ocidentais, ajuda os separatistas que enfrentam o governo de Kiev.

A Rússia denunciou uma medida "perigosa que poderia minar a estabilidade" no mundo e não descartou "outras medidas de retaliação".

A lei também impõe novas sanções contra Irã e Coreia do Norte.

Teerã afirmou que o acordo sobre seu programa nuclear, assinado com as grandes potências, foi "violado" e afirmou que "reagirá de maneira apropriada" à votação no Congresso americano.

Antes mesmo de Trump assinar a lei, Moscou já havia anunciado uma redução drástica da presença diplomática americana em seu território. A partir de setembro, Washington terá que diminuir em dois terços o número de funcionários em sua embaixada e nos consulados.

A chegada de Trump à Casa Branca gerou a expectativa de uma relação melhor entre Washington e Moscou, que não aconteceu, sobretudo depois das acusações de interferência russa nas eleições americanas e das suspeitas de conluio entre a equipe de campanha do republicano e Moscou.

AFP