Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) O ataque atingiu milhares de computadores de todo o mundo em junho passado

(afp_tickers)

Moscou negou nesta quinta-feira ser responsável pelo ciberataque 'NotPetya', que começou em junho, na Ucrânia e na Rússia, antes de se propagar para o restante do mundo, afetando milhares de computadores, como acusou o Reino Unido.

"Desmentimos categoricamente tais declarações. São infundadas e as consideramos carentes de provas. Seu objetivo é prosseguir com uma campanha russófoba", declarou à imprensa o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov.

A Grã-Bretanha acusou nesta quinta-feira a Rússia de ser responsável pelo ciberataque de junho.

"O governo britânico considera que o governo russo, em particular as Forças Armadas russas, é responsável pelo ciberataque destrutivo NotPetya de junho de 2017", afirmou o secretário de Estado das Relações Exteriores, Tariq Ahmad, em um comunicado.

O ciberataque afetou milhares de computadores em todo o mundo e atingiu multinacionais e infraestruturas críticas como o sistema de controle da área do acidente nuclear de Chernobyl e os portos de Mumbai e Amsterdã.

Entre as empresas afetadas estavam a russa Rosneft (petróleo), a dinamarquesa Maersk (transportes), a americana Merck (farmacêutica), a francesa Saint-Gobain (material de construção) e a britânica WPP (marketing).

Na Ucrânia, o país mais afetado, as operações dos bancos foram afetadas e as autoridades destacaram na época um ataque sem precedentes.

O ataque "tinha principalmente o objetivo de perturbar", destacou o ministério britânico em um comunicado.

Londres denunciou em várias ocasiões os atos "hostis" da Rússia.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.









swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP