Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) O vice-chanceler Anatoly Antonov

(afp_tickers)

O vice-ministro das Relações Exteriores Anatoly Antonov foi nomeado nesta segunda-feira (21) embaixador da Rússia nos Estados Unidos - anunciou o Kremlin em um comunicado.

"Anatoly Ivanovich Antonov foi nomeado por decreto presidencial embaixador extraordinário e plenipotenciário da Federação da Rússia nos Estados Unidos", indicou o Kremlin em um comunicado.

Substitui Serguei Kislyak, acusado pela imprensa americana de ter conspirado para facilitar a chegada de Donald Trump à Casa Branca.

Considerado um diplomata veterano e um hábil negociador, Antonov, de 62, terá de pôr em prática toda sua experiência, se quiser melhorar as relações russo-americanas e acalmar a tempestade midiática gerada pela suspeita de ingerência de Moscou na campanha eleitoral americana de 2016.

Há várias investigações em curso - federais e do Congresso - sobre o caso.

Fluente em inglês e em birmanês, segundo o site do Ministério russo das Relações Exteriores, Antonov foi subindo de escalão na diplomacia soviética e russa antes de se tornar vice-ministro da Defesa entre 2011 e 2016. Nesse período, as relações com o Ocidente chegaram a seus níveis mais baixos desde o final da Guerra Fria.

"É um partidário da linha-dura que entende bem os temas dos quais fala e conhece muito bem o Ocidente", resumiu o especialista Alexander Gabuev, do Carnegie Moscow Center.

No Ministério da Defesa, mostrou firmeza, ao rejeitar as acusações sobre a presença de soldados russos no leste separatista da Ucrânia.

Também rejeitou as teorias, relacionando os rebeldes pró-russos com a queda do avião da Malaysia Airlines que fazia o voo MH17, em julho de 2014.

Em fevereiro de 2015, a União Europeia o incluiu em uma lista que previa sanções a pessoas envolvidas na crise ucraniana.

- Negociações com os EUA -

Antonov tem considerável experiência em negociações com os Estados Unidos.

Dirigiu a delegação russa nas negociações sobre o novo tratado Start para reduzir o número de armas nucleares. O acordo foi firmado em 2010, entre Moscou e Washington, durante um curto período de convergência entre os dois países.

Segundo o jornal Kommersant, já se pensava em Antonov para dirigir a embaixada russa em Washington muito antes da vitória de Trump.

Apesar de sua reputação de linha-dura, ele é favorável à distensão nas relações com os EUA, sempre e desde dentro dos interesses de Moscou.

"Um grande trabalho nos espera: sair desse atoleiro. Mas isso não significa ceder (aos EUA)", declarou Antonov em maio.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP