Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O embaixador russo na ONU, Vassily Nebenzia, durante encontro do Conselho de Segurança em Nova York, nos Estados Unidos, em 14 de abril de 2018

(afp_tickers)

A Rússia solicitou nesta quarta-feira ao Conselho de Segurança das Nações Unidas que analise a suspensão progressiva das sanções econômicas contra a Coreia do Norte, após o acordo firmado com os Estados Unidos para eliminar as armas nucleares da península coreana.

O Conselho aprovou no ano passado três pacotes de duras sanções econômicas contra Pyongyang, que proíbem quase todas as suas exportações de matéria-prima e limitam severamente o fornecimento de combustíveis.

Estas medidas foram uma resposta aos disparos de mísseis e ao teste nuclear realizados pelo regime norte-coreano, considerados uma ameaça à estabilidade internacional.

"É simplesmente natural que pensemos sobre dar passos nesta direção", declarou o embaixador russo Vassily Nebenzia sobre a suspensão das sanções.

"Existe um progresso que deve ser recíproco. Deve haver contrapartidas" porque "a outra parte precisa de estímulo para avançar".

Em um encontro histórico em Singapura, na terça-feira, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e o líder norte-coreano, Kim Jong Un, concordaram em trabalhar para eliminar as armas nucleares da península coreana.

Mas Estados Unidos, Japão e os países europeus defendem a permanência das sanções até que a Coreia do Norte desmantele completamente seu programa armamentístico.

O embaixador holandês Karel van Oosterom, que lidera a comissão de sanções no Conselho contra a Coreia do Norte, declarou que as medidas punitivas seguem sendo implementadas com todo o vigor.

"Continuaremos mantendo a pressão com a implementação total das sanções".

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










AFP