Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

A emissora RT é controlada pelo governo russo

(afp_tickers)

A Rússia anunciou nesta sexta-feira que prepara medidas de represália contra a mídia americana, depois da decisão da rede RT de aceitar as exigências de Washington de se registrar como "agente estrangeiro" no país.

"Seria justo definir medidas de reciprocidade que permitissem defender os cidadãos de nosso país contra a flagrante ingerência da mídia americana em território russo", declarou Viacheslav Volodin, presidente da Duma, câmara baixa do parlamento.

"Serão adotadas medidas de reciprocidade para impor as mesmas limitações que os americanos tentam impor à mídia russa", afirmou o vice-presidente da Duma, Piotr Tolstoi, citado pelas agências russas.

A televisão russa RT, controlada pelo Estado russo, anunciou na quinta-feira que se registraria como "agente do exterior" nos Estados Unidos, submetendo-se à lei Fara (Foreign Agents Registration Act). A Fara obriga qualquer sociedade que represente um país ou organização estrangeira a prestar regularmente contas às autoridades americanas sobre suas relações com esse Estado ou organização, sob pena de ver suas contas congeladas.

A RT anunciou que questionaria a solicitação nos tribunais, "pois contradiz os princípios da democracia e da liberdade de expressão", segundo a redatora-chefe da RT, Margarita Simonian.

"Isso nos priva da livre concorrência com as demais redes internacionais, que não estão registradas como agentes do exterior", acrescentou.

A RT é frequentemente acusada por Washington de servir de órgão de propaganda do Kremlin.

A rede social Twitter também anunciou no fim de outubro a proibição de toda publicidade nas contas dos veículos de mídia russos RT e Sputnik depois de determinar que ambos divulgaram informações que interferiram nas eleições americanas de 2016.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP