Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Dois homens andam em frente a uma cratera gerada após um ataque aéreo à ucraniana de Donetsk, em 6 de agosto de 2014.

(afp_tickers)

Intensos combates alcançaram nesta quinta-feira o centro de Donetsk, reduto dos separatistas do leste da Ucrânia, em plena escalada das tensões entre o Ocidente e a Rússia, que impôs um embargo à importação de alimentos europeus e americanos.

Neste contexto, e com os crescentes temores de uma intervenção russa nesta ex-república soviética, o secretário-geral da Otan, Anders Fogh Rasmussen, anunciou no Twitter que estava nesta quinta-feira a Kiev para expressar seu apoio político ao governo ucraniano.

Em Donetsk, a maior cidade em mãos dos rebeldes, intensos bombardeios atingiram pela primeira vez o centro da cidade. As autoridades contabilizaram pelo menos quatro mortos civis e pediram às pessoas para se manterem abrigadas.

As autoridades regionais afirmaram que um obus atingiu um hospital, matando uma pessoa e ferindo outras duas. O prefeito relatou, por sua vez, tiros em torno das instalações dos serviços de segurança ucranianos, transformadas pelos separatistas em uma de suas principais bases. De acordo com a mesma fonte, três civis foram mortos durante a noite.

A ofensiva lançada pelo exército ucraniano há quatro meses no leste do país tem como objetivo isolar Donetsk do resto do território controlado pelos rebeldes, bem como da fronteira com a Rússia. Os combates se intensificaram consideravelmente nos últimos dias, mas se concentraram nos bairros periféricos.

Um porta-voz militar, Andrii Lysenko, confirmou "operações ofensivas" em andamento "em torno de Donetsk e Lugansk", mas negou qualquer ataque da aviação.

20.000 soldados russos na fronteira

Em Kiev, Anders Fogh Rasmussen se reuniu com o primeiro-ministro Arseni Yatseniuk, antes de um encontro programado com o presidente Petro Poroshenko. As autoridades ucranianas já disseram que esperam um apoio militar e não apenas declarações políticas, como apelou no domingo o ministro da Defesa Valéri Gueleteï.

A Otan, da qual a Ucrânia não faz parte, estima que o número de soldados russos na fronteira ucraniana aumentou de 12.000 em meados de julho para 20.000 atualmente. Ela denunciou na quarta-feira uma "situação perigosa", temendo que a Rússia use "o pretexto de uma missão humanitária ou de manutenção de paz para enviar soldados ao leste da Ucrânia".

Durante uma conversa telefônica quarta-feira à noite, o vice-presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e o presidente ucraniano expressaram sua preocupação com as declarações de Moscou "sugerindo" um papel a desempenhar na Ucrânia por meio de "forças de manutenção de paz", segundo a Casa Branca.

A Rússia exige medidas de emergência na Ucrânia, onde a situação continua a deteriorar-se no terreno. Segundo a ONU, o conflito já matou mais de 1.100 pessoas em quase quatro meses e fez cerca de 300 mil refugiados.

Várias cidades em mãos dos rebeldes e sitiadas pelas forças ucranianas, incluindo Lugansk, enfrentam uma situação humanitária cada vez mais difícil, com dificuldades de abastecimento e escassez de água e eletricidade.

Embargo agrícola

Os últimos dias foram marcados por confrontos particularmente violentos. As forças ucranianas lamentavam nesta quinta-feira a morte de sete de seus soldados em 24 horas.

Kiev também optou por acabar com o cessar-fogo declarado no local da queda do avião da Malaysia Airlines, após a suspensão até nova ordem das buscas pelos restos mortais das 298 vítimas.

O primeiro-ministro holandês Mark Rutte considerou na quarta-feira que não havia condições de segurança para que os especialistas holandeses, australianos e malaios trabalhassem nos escombros do Boeing abatido por um míssil na zona rebelde em 17 de julho.

A tragédia obrigou os europeus, até então reticentes e divididos sobre a questão, adotar sanções econômicas contra a Rússia, que eles acusam de armar a rebelião separatista.

Em resposta, a Rússia proibiu nesta quinta-feira a importação de alimentos procedentes dos países da Europa e dos Estados Unidos.

A proibição afeta principalmente a carne bovina, suína e de frango, pescado, os laticínios, as verduras e frutas procedentes dos Estados Unidos, União Europeia, Austrália, Canadá e Noruega.

Moscou também ameaçou fechar o espaço aéreo do país aos aviões que viajam entre a Europa e a Ásia pela Sibéria, a rota mais curta.

O fechamento do espaço aéreo russo para os voos entre Europa e Ásia provocaria às companhias que utilizam a rota importantes gastos de combustível.

Mas também provocaria perdas para principal companhia aérea russa, a Aeroflot, que recebe a cada ano entre 250 e 300 milhões de dólares de indenizações pelos voos de trânsito.

Já a União Europeia (UE) anunciou que se reserva o direito a adotar medidas contra Moscou após a decisão das autoridades russas de proibir durante um ano a importação de alimentos.

"Após uma avaliação completa pela Comissão Europeia das medidas adotadas pela Federação da Rússia, nos reservamos o direito de adotas as medidas apropriadas", disse Frédéric Vincent, porta-voz da Comissão.

Vincent afirmou que as autoridades russas atuaram com motivação "claramente política".

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










AFP