Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Thae Yong-Ho depôs no Comitê de Relações Exteriores da Câmara de Representantes

(afp_tickers)

Um desertor norte-coreano declarou ao Congresso americano nesta quarta-feira (1) que uma rebelião em seu país poderia provocar o colapso do regime de Kim Jong-Un, ao mesmo tempo em que advertiu contra uma intervenção militar estrangeira.

"Embora na superfície Kim Jong-Un pareça ter consolidado seu poder através deste reino do terror, simultaneamente há mudanças grandes e inesperadas na Coreia do Norte", disse Thae Yong-Ho, um dos mais altos funcionários a desertar recentemente.

O ex-vice-embaixador no Reino Unido, que fugiu para a Coreia do Sul em 2016, explicou à comissão de Assuntos Exteriores da Câmara baixa americana que "o livre mercado está florescendo" na Coreia do Norte, prevendo que os norte-coreanos estão deixando de lado o sistema econômico estatal.

O depoimento de Thae ocorre em um momento de tensões crescentes entre os países ocidentais e Pyongyang por seus testes nucleares e de mísseis.

O ex-diplomata disse que milhões de funcionários públicos e militares norte-coreanos dependem de "subornos e malversação de bens públicos" para sobreviver e que os cidadãos burlam a propaganda estatal vendo filmes sul-coreanos ilegais, debilitando o controle do regime.

"Estas mudanças (...) tornam mais possível pensar em uma rebelião civil na Coreia do Norte, enquanto mais e mais pessoas se informam gradativamente sobre a realidade de suas condições de vida", disse.

Perante os legisladores, Thae pediu para continuar os esforços para contrabalançar a propaganda oficial na Coreia do Norte, mas advertiu para um conflito militar.

"É necessário reconsiderar se abordamos todas as opções não militares antes de decidir que a ação militar contra a Coreia do Norte é tudo o que nos resta", disse.

"Devemos ver o sacrifício humano desta opção militar", acrescentou.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP