Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Destruição nos arredores de Damasco

(afp_tickers)

Os combates entre o grupo extremista Estado Islâmico (EI) e o Exército sírio se intensificaram nesta quarta-feira pelo controle do último reduto do regime na província setentrional de Raqa, informou o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

"Violentos combates acontecem desde a noite de terça-feira na região do aeroporto militar de Tabqa, a única posição ainda sob controle do regime de Bashar al-Assad na província de Raqa", segundo a ONG com sede na Grã-Bretanha.

Cinco jihadistas morreram nos confrontos iniciados há 10 dias, mas que ganharam força na terça-feira à noite.

O regime sírio conta com o apoio da aviação para bombardear os insurgentes.

O EI, um grupo extremista que também espalha o terror no Iraque, controla amplas áreas do norte e leste da Síria, sobretudo na província de Raqa.

Nas últimas semanas, expulsou o exército de duas bases importantes após a morte de mais de 100 soldados.

O avanço do EI obrigou o exército a iniciar uma inédita campanha de bombardeios contra suas posições.

Até então, na Síria havia duas frentes: entre as tropas do regime e os rebeldes que tentam expulsar Assad do poder e entre o EI e os rebeldes, que acusam o primeiro grupo de ter roubado sua "revolução" com as atrocidades que comete.

O grupo reivindica atos de crucificação, apedrejamento, flagelação e decapitações, como a divulgada em um vídeo na terça-feira que mostra a suposta execução do jornalista americano James Foley.

O EI anunciou em junho um "califado" nos territórios que controla na Síria e Iraque, onde as forças iraquianas e curdas apoiadas pela aviação americana tentam recuperar terreno.

AFP