Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Uma criança é vacinada, em São Francisco, Califórnia, no dia 22 de dezembro de 2009

(afp_tickers)

O governador da Califórnia assinou nesta terça-feira um projeto de lei assinado para endurecer as exigências de vacinação para crianças, na sequência de um surto de sarampo e protestos em todo o país.

A nova lei vai exigir que todas as crianças sejam imunizadas antes de entrar no jardim de infância, com exceções permitidas somente se o médico desaconselhar a imunização, explicou Jerry Brown.

"A ciência é clara, as vacinas protegem drasticamente as crianças contra uma série de doenças infecciosas e perigosas", disse ele, acrescentando: "embora seja verdade que nenhuma intervenção médica é sem risco, a evidência mostra que a imunização é poderosamente benéfica e protege a comunidade".

O projeto de lei, aprovado por legisladores estaduais no início de junho, dispensa uma criança de ser vacinada caso um médico diga que há "circunstâncias, incluindo histórico médico familiar, para que a imunização não seja recomendada".

A medida recebeu o apoio de republicanos e democratas depois que um surto de sarampo afetou cerca de 130 pessoas no parque de diversões Disneyland em dezembro do ano passado.

No total, durante o surto, foram registrados 159 casos de sarampo entre janeiro e abril em 18 estados e na capital norte-americana.

A doença viral era dada como extinta há anos Estados Unidos graças aos programas de vacinação. Mas quando alguns pais deixaram de vacinar seus filhos devido a uma série de crenças, o sarampo reapareceu.

Além de altamente contagioso, o sarampo provoca febre e erupção cutânea e pode levar a danos cerebrais, perda de audição ou visão e às vezes morte.

Lactentes, idosos e pessoas com sistemas imunitários enfraquecidos são particularmente vulneráveis.

AFP