Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O objetivo da nova moeda é combater a fraude. Segundo The Royal Mint, que produz as moedas britânicas, 3% das antigas moedas de uma libras - que representam 45 milhões de libras - seriam falsas

(afp_tickers)

A antiga moeda de uma libra vai deixar de circular no Reino Unido neste domingo, substituída por uma nova versão, que será mais difícil de falsificar, apesar das reticências de comerciantes, que ainda não se acostumaram completamente.

O objetivo da nova moeda é combater a fraude. Segundo The Royal Mint, que produz as moedas britânicas, 3% das antigas moedas de uma libras - que representam 45 milhões de libras - seriam falsas.

Foi feito 1 bilhão de exemplares desta moeda, que começou a circular em 1983.

Ela substituiu a nota de uma libra quando o Tesouro Real considerou que sua produção era muito cara para a duração - de nove meses, em média.

A nova moeda - que terá 1,5 bilhão de exemplares - é "a mais segura do mundo", afirmou à AFP Kevin Clancy, diretor do museu do Royal Mint.

"Incorporamos várias características novas: a moeda tem formato dodecagonal (12 lados) que substitui a forma arredondada da anterior", indicou. "Também é uma peça bimetálica, com metais de duas cores. Tem um holograma, está marcada com letras minúsculas e a forma característica de sua borda".

Os materiais usados, ligas metálicas a base de níquel e cobre, também deve ajudar a diferenciar as cópias mais facilmente.

E apesar de ser menos espessa que a anterior - são 2,8 milímetros contra 3,15 -, conforme pedido por empresas de transporte, vai continuar sendo a moeda britânica mais grossa em circulação.

"Em 1983, a ideia (de uma moeda grossa) era dar às pessoas uma sensação de valor. Mantivemos esse enfoque", explicou Clancy.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP