Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Uma relíquia do papa João Paulo II, impregnada com sangue do pontífice polonês, foi roubada de um santuário do lago de Garda, no norte da Itália

(afp_tickers)

Uma relíquia do papa João Paulo II, impregnada com sangue do pontífice polonês, foi roubada de um santuário do lago de Garda, no norte da Itália, informou nesta quarta-feira (25) à imprensa o pároco local.

"É um ato muito grave, cometido por pessoas sem consideração, que privaram o santuário de uma de suas propriedades mais valiosas", lamentou o religioso Giuseppe Mattanza diante dos fiéis que assistiam à missa, contou o jornal local Brescia Oggi.

Os ladrões roubaram também os ossos do sacerdote polonês Jerzy Popieluszko, um mártir para os poloneses, que foi capelão do sindicato Solidariedade e membro da oposição polonesa, antes de ser assassinado pela polícia secreta comunista em 1984.

As relíquias do papa canonizado e do sacerdote mártir foram entregues ao santuário em 2014 por um cardeal polonês.

Mattanza pediu aos ladrões que devolvam as relíquias, consideradas o maior atrativo do santuário do lago de Garda.

Os ladrões, que entraram no local fazendo-se passar por turistas, também roubaram cálices, candelabros e objetos litúrgicos.

Em 2014, outro fragmento de tela impregnada com o sangue do pontífice polonês, papa durante mais de meio século, foi roubado em uma capela na região de Abruzos (centro), mas encontrado uma semana depois.

Os autores abandonaram o pedaço de tela em uma garagem, sem saber do que se tratava.

Alguns veículos da mídia italiana chegaram a mencionar a tese de um roubo com fins satânicos. Em junho de 2016, outra relíquia com o sangue de João Paulo II foi roubada, desta vez na catedral de Colônia, Alemanha.

O pontificado de Karol Wojtyla foi de 1978 até sua morte em 2005.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP