Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) Um estudo internacional revelado neste sábado indicou que as pessoas saudáveis poderiam reduzir o desenvolvimento de problemas cardíacos com fármacos para reduzir o colesterol

(afp_tickers)

Um estudo internacional revelado neste sábado indicou que as pessoas saudáveis poderiam reduzir o desenvolvimento de problemas cardíacos com fármacos para reduzir o colesterol, conhecidos como estatinas.

As descobertas aconteceram após três estudos que incluíram mais de 12 mil pessoas em 21 países e foram divulgados na conferência do Colégio Americano de Cardiologia, em Chicago.

Até o momento, as estatinas eram recomendadas fundamentalmente para pessoas com alto risco de doenças cardíacas, que matam 18 milhões de pessoas anualmente no mundo e causam 50 milhões de ataques cardíacos e infartos.

"As implicações são muito grandes", disse o pesquisador Salim Yusyf, professor de Medicina na Universidade de McMaster.

"Acredito que certamente deveríamos considerar o uso de estatinas de maneira muito mais ampla do que fizemos até o momento", completou.

Os testes, chamados de Avaliação de Resultados de Prevenção Cardíaca-3 (HOPE-3, na sigla em inglês), foram os primeiros de seu tipo a analisar o impacto desses fármacos, às vezes em combinação com medicamentos para baixar a pressão sanguínea e outras vezes com um placebo, em um estudo mundial de população ampla e diversa.

As pessoas incluídas nos testes eram consideradas "de risco intermediário para desenvolver doenças cardiovasculares" pelo fato de contarem com ao menos um fator de risco, como o hábito de fumar, ter uma cintura ampla ou um histórico familiar destas doenças.

Contudo, ninguém havia sido diagnosticado com doenças cardíacas no começo da pesquisa.

AFP