Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Logo da Odebrecht na Vila Olímpica do Rio de Janeiro, 23 de junho de 2016

(afp_tickers)

O controlador-geral da Nação do Equador, Carlos Pólit, envolvido no caso de subornos pagos pelo grupo Odebrecht a funcionários equatorianos, apresentou sua renúncia nesta terça-feira.

"Há poucos minutos (...) apresentou sua renúncia irrevogável o controlador-geral da Nação, doutor Carlos Polit", anunciou em entrevista coletiva o presidente do Legislativo, José Serrano.

Serrano explicou que a renúncia de Pólit está acompanhada de um atestado médico sobre "algum problema de saúde que teve".

Pólit, que nega as acusações e permanece em Miami desde maio passado por recomendação médica, deixa o cargo no momento em que é alvo de um julgamento político na Assembleia ligado ao escândalo Odebrecht.

Mas segundo Serrano, a renúncia não "afeta o processo político" contra Pólit.

O escândalo Odebrecht no Equador já provocou a prisão de oito suspeitos, entre eles um tio do vice-presidente Jorge Glas e o ex-ministro da Eletricidade Alecksey Mosquera.

A Procuradoria equatoriana abriu uma investigação após o departamento de Justiça dos Estados Unidos revelar que a Odebrecht pagou - entre 2007 e 2016 - ao menos 33,5 milhões de dólares a funcionários equatorianos.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP