Navigation

Republicanos pedem que Obama seja firme em crise ucraniana

O senador republicano John McCain afirmou que é preciso reagir com força se a Rússia estiver ligada ao incidente. afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 18. julho 2014 - 22:26
(AFP)

Legisladores americanos da oposição pediram nesta sexta-feira que o presidente Barack Obama mostre uma forte liderança e adote medidas rápidas contra Moscou em resposta à derrubada de um avião de passageiros em território ucraniano.

Obama acusou o Kremlin de apoiar a violência no leste da Ucrânia e de fornecer aos separatistas equipamentos sofisticados, como o míssil terra-ar que derrubou o avião da Malaysia Airlines, mas não acusou a Rússia de ter relação direta com o ataque de quinta-feira, que matou as 298 pessoas a bordo.

Enquanto o governo analisa as próximas iniciativas a serem tomadas, os legisladores republicanos exortaram Obama a ser mais incisivo diante da crise na Ucrânia, nas negociações com o Irã e no conflito entre israelenses e palestinos.

"Precisamos de mais liderança do presidente", disse o congressista republicano Peter King ao canal de televisão MSNBC.

"É importante que o presidente dê um passo adiante e mobilize o apoio do Ocidente para impor sanções econômicas" à Rússia, considerou.

Adam Kinzinger, um republicano do comitê de Assuntos Externos da Câmara de Representantes, disse à Fox News que Obama deve levar a sério a ameaça russa e pressionar o presidente Vladimir Putin.

"Espero que o presidente Obama mostre hoje o mesmo tipo de liderança moral que teve o presidente (Ronald) Reagan em 1983", disse Kinzinger, referindo-se ao duro discurso de Reagan quatro dias depois da derrubada de um avião comercial da Korean Airlines por um caça soviético.

"Temos que reagir com força" se a Rússia estiver ligada ao incidente, disse a jornalistas o senador republicano John McCain.

Washington deveria armar o Exército ucraniano, aumentar significativamente as sanções contra Moscou e "classificar Vladimir Putin e a Rússia como uma nação pária", acrescentou McCain. "Se forem responsáveis por isso, é o que merecem".

O senador Lindsey Graham disse que tantos anos de fraqueza diplomática do governo Obama estão tendo consequências.

"Não estou culpando os Estados Unidos pela queda do avião", disse Graham. "Estou dizendo que a política externa do presidente Obama permite que os conflitos ampliem seu alcance".

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.