Navigation

Republicanos protestam na fronteira EUA-México para exigir muro

Partidários do presidente Donald Trump na fronteira entre Sunland Park, Novo México e Ciudad Juárez, em 9 de fevereiro de 2019 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 10. fevereiro 2019 - 14:17
(AFP)

Com bandeiras dos Estados Unidos e slogans de apoio ao presidente Donald Trump, cerca de 50 pessoas fizeram, no sábado (9), uma cerca humana na fronteira que divide o estado mexicano de Chihuahua do americano Nuevo México para exigir o financiamento de um novo muro fronteiriço.

"Precisa construir o muro aqui (...) porque, por aqui, vai começar a passar o crime. Vão cruzar mais (imigrantes) 'ilegais'", disse à AFP o americano Anthony Agüero, que vive em El Paso, no Texas, durante o protesto organizado por simpatizantes do Partido Republicano.

"Veteranos antes dos invasores. Legal é a palavra-chave", "Parem as drogas que destroem nossa juventude" e "Trump 2020" são algumas das frases nos cartazes nas cores da bandeira nacional - vermelho, azul e branco.

Os manifestantes viajaram de diferentes cidades do Texas e do Novo México para protestar em Anapra, um ponto no meio do deserto, onde o muro fronteiriço se interrompe e deixa um caminho livre entre Ciudad Juárez, no México, e Sunland Park, nos EUA.

Trump visitará El Paso para dar a largada em sua campanha pela reeleição em 2020, sob o lema "Make America Great Again". Desde sua campanha para chegar à Casa Branca, o republicano insiste na construção de um novo muro fronteiriço para conter a imigração de latino-americanos, sobretudo, mexicanos, os quais chegou a classificar como "criminosos".

Nem todos concordam com a mensagem desse protesto que transcorreu sob os olhares dos agentes da Patrulha Fronteiriça americana e da Polícia Federal mexicana.

"Não concordo com nada, com nada. Me dá tristeza e me chateia. Fui criado em Ciudad Juárez e não acreditava que isso fosse acontecer", disse à AFP o americano Ian Washington.

De acordo com o porta-voz da Patrulha Fronteiriça do setor El Paso, Ramiro Cordero, de outubro a dezembro do ano passado 25.000 migrantes foram detidos na fronteira do Novo México e do sudoeste do Texas, um número menor do que os 32.000 detidos de outubro de 2017 a setembro de 2018.

A expectativa é de mais protestos nesta segunda-feira, durante a visita de Trump a El Paso - só que desta vez contra o muro.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.