Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) Um soldado faz um teste de malária, em Phnom Penh, no Camboja, no dia 19 de julho de 2008

(afp_tickers)

A resistência da malária ao principal medicamento usado para combatê-la se restringe ao sudeste asiático, e não se estendeu para a África, de acordo com um estudo publicado nesta quarta-feira na revista americana New England Journal of Medicine.

Este primeiro mapa global sobre a resistência da malária à artemisinina, a principal droga contra a doença, foi realizado por um consórcio internacional apoiado pela Organização Mundial da Saúde.

O estudo, realizado em 59 países onde a malária é endêmica, é um passo importante para combater melhor a infecção.

O mapa permite vigilar praticamente em tempo real a propagação dos parasitas () resistentes à artemisinina, detectados pela primeira vez em 2008 no Camboja.

Assim, será possível avaliar rapidamente se o uso da artemisinina será eficaz para o tratamento em determinadas áreas.

"Até agora, os cientistas não dispunham de ferramentas capazes de identificar com precisão a natureza da resistência aos antimaláricos nas principais regiões afetadas, como a África subsaariana", disse à AFP o chefe da unidade epidemiológica do Instituto Pasteur do Camboja, Didier Menard, autor principal do estudo.

O trabalho, conhecido como "Karma", se baseia na descoberta, feita em 2014 por cientistas do Instituto Pasteur em Paris e no Camboja, de um gene (K13) que desempenha um papel determinante na resistência ao medicamento antimalárico.

Os pesquisadores estudaram a diversidade do gene em mais de 14.000 amostras de sangue de pacientes infectados, provenientes de 59 países onde a malária é endêmica - 72% deles na África, 19% na Ásia, 8% na América Latina e 1% na Oceania.

Todas as amostras foram coletadas depois de 2012, o que permite ter uma ideia da situação real da resistência.

Os resultados do estudo poderiam prevenir cenários como o de parasitas resistentes à cloroquina, a primeira geração de resistência aos antimaláricos, que emergiu no sudeste asiático no final da década de 1960 e se propagou na África.

O estudo permitiu identificar 70 novas mutações da proteína K13 - antes, já se conheciam 103, entre elas quatro de resistência à artemisinina.

"Mostramos que apenas um número reduzido de mutações estão vinculadas à resistência, o que deveria facilitar a vigilância da resistência à artemisinina a nível mundial", afirmou Odile Mercereau-Puijalon, do Instituto Pasteur de Paris.

Assim, o estudo revela que a mutação mais observada na África não está ligada à resistência.

A descoberta de dois focos isolados de resistência em regiões fronteiriças do Camboja, Vietnã e Laos, assim como no oeste da Birmânia e no sul da Tailândia, sugere que os esforços internacionais para conter sua propagação são eficazes.

A estratégia atual para tratar os doentes infectados por parasitas resistentes é recorrer a uma combinação de medicamentos, principalmente de antigos antimaláricos que funcionam por um tempo determinado, como se faz com os antibióticos, afirma Ménard.

"Mas se trata de uma estratégia provisória, à espera da comercialização de novas moléculas, o que não deve acontecer antes de 2020", acrescentou.

A malária, doença transmitida por mosquitos, em 2015 afetou 214 milhões de pessoas e deixou 438.000 mortos, a maioria deles crianças na África subsaariana.

AFP