Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, no encontro internacional pela paz no Afeganistão, organizado em Moscou em 9 de novembro de 2018

(afp_tickers)

O governo afegão e os milicianos talibãs não conseguiram chegar a um acordo nesta sexta-feira (9) sobre negociações de paz diretas, após um dia de reunião em Moscou.

A Rússia realizou uma reunião internacional sobre o Afeganistão nesta sexta para ajudar a iniciar um diálogo direto entre Cabul e os talibãs, e buscar uma solução pacífica para o conflito afegão.

O encontro, entretanto, terminou sem que as delegações de ambas partes chegassem a um acordo sobre a forma de diálogo sem mediadores e direto.

O porta-voz dos talibãs, Mohamad Abas Stanikzai, disse a jornalistas que "esta conferência não foi sobre um diálogo direto", segundo as declarações traduzidas, citada pela agência Interfax.

Os talibãs "não reconhecem a legalidade do atual governo e por isso não teremos negociações com eles", explicou.

"Em relação à nossa principal demanda, a retirada das tropas estrangeiras, discutiremos uma solução pacífica com os americanos", acrescentou.

A reunião foi aberta pelo ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, que pediu aos participantes - incluindo uma delegação do Talibã - que não fossem "guiados por seus interesses pessoais ou coletivos, mas pelos interesses do povo afegão".

A participação nesta reunião de uma agência do governo afegã e dos talibãs é uma "contribuição importante para a criação de condições favoráveis para o lançamento de negociações diretas", disse Lavrov.

A Rússia também convidou os Estados Unidos, a Índia, o Irã, a China, o Paquistão e cinco antigas repúblicas soviéticas da Ásia Central.

Washington anunciou que um representante da embaixada dos Estados Unidos em Moscou participaria para "observar as negociações".

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










AFP