Navigation

Rio de Janeiro bate novo recorde de turistas no Ano Novo

Cariocas e turistas comemoram a chegada do ano novo na praia de Copacabana, durante a tradicional queima de fogos do réveillon, 31 de dezembro de 2019 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 01. janeiro 2020 - 18:50
(AFP)

O Rio de Janeiro bateu um novo recorde na virada do ano, com 1,7 milhão de turistas e 2,9 milhões de pessoas que assistiram à celebração do réveillon na praia de Copacabana, segundo dados oficiais divulgados nesta quarta-feira (1).

O número de visitantes que chegou à cidade para o "Réveillon-2020" foi 21,4% superior ao do fim de ano de 2019, quando foram registrados 1,4 milhão de turistas, segundo a Riotur.

Oitenta por cento dos turistas vieram de outros estados, particularmente de São Paulo e Goiás, e 20% foram visitantes estrangeiros, sobretudo de Argentina, Chile e Estados Unidos.

Para a festa de fim de ano, a cidade investiu em 16,9 toneladas de fogos de artifício, que queimados durante 14 minutos de dez balsas no mar.

Artistas brasileiros animaram a festa em pelo menos quatro palcos instalados ao longo da praia de Copacabana.

Segundo o balanço da Riotur, o Rio também alcançou 100% de ocupação hoteleira na noite do fim de ano. Copacabana e Leme foram os bairros mais concorridos, de acordo com dados do sindicato de hospedagens do município do Rio de Janeiro em 31 de dezembro.

A festa de Ano Novo exigiu um investimento de 10 milhões de reais, pouco mais da metade procedente de empresas privadas, informou dias atrás o governador do estado do Rio, Wilson Witzel.

As autoridades não informaram ainda o faturamento da festa.

Mais de dois mil policiais foram mobilizados para dar segurança às celebrações e 120 garis para a limpeza das praias. No ano passado, foram coletadas 385 toneladas de lixo das areias.

O turismo é uma importante fontes de recursos, com que contam as autoridades locais e federais para impulsionar a economia brasileira, que tem demorado a se recuperar da crise 2015 e tem registrado desde então um fraco crescimento.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.