Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Um robô conseguiu costurar duas parte de um intestino de porco - um avanço para o complicado campo da cirurgia de tecidos moles, anunciaram pesquisadores americanos nesta quarta-feira

(afp_tickers)

Um robô conseguiu costurar duas parte de um intestino de porco - um avanço para o complicado campo da cirurgia de tecidos moles, anunciaram pesquisadores americanos nesta quarta-feira.

A máquina, chamada de Robô Autônomo de Tecido Inteligente (STAR, na sigla em inglês), não exclui a necessidade de um cirurgião qualificado, mas atua como um ferramenta para melhorar a precisão da costura, segundo um artigo publicado no periódico científico Science Translational Medicine.

O estudo mostrou que a performance do STAR supera a de cirurgiões especializados e a de uma conhecida ferramenta robótica para cirurgias, já no mercado, chamada de Robô Da Vinci, que o cirurgião segura com as mãos e usa para fazer pequenas incisões em operações como a extração de útero.

Até o momento, cirurgias robóticas contavam amplamente com a experiência do cirurgião, e os resultados variavam de acordo com as habilidade do médico, afirmaram os pesquisadores.

O tecido mole é particularmente complicado porque é maleável e movediço.

Mas ser capaz de aprimorar essa técnica "poderia reduzir potencialmente as complicações e aumentar a segurança e a eficácia das cirurgias de tecido mole, que são feitas cerca de 45 milhões vezes por ano nos Estados Unidos", afirma o estudo realizado por médicos do Sistema Nacional de Saúde da Criança, em Washington DC, e da Universidade Johns Hopkins em Baltimore, no estado de Maryland.

O STAR foi testado em um procedimento chamado anastomose, que é feito após o cirurgião ter aberto o corpo do paciente e concluído o objetivo principal da cirurgia - por exemplo, a retirada de um tumor do intestino. Ele, então, reconecta duas partes, "como se tentasse montar uma mangueira de jardim que foi cortada", explicou o coautor do estudo, Ryan Decker.

A anastomose é realizada mais de um milhão de vezes por ano nos Estados Unidos, em operações urológicas e ginecológicas, assim como em cirurgias no intestino.

Cerca de 30% das anastomoses gastrointestinais "são complicadas por vazamentos, contrações e estenoses" (estreitamentos), de acordo com um comunicado do Sistema Nacional de Saúde da Criança.

Para o estudo, cirurgiões fizeram marcações fluorescentes nos vasos a serem costurados, e o robô as seguiu, mostrando que poderia fazer pontos mais consistentes e uniformemente espaçados, ou suturas, do que um cirurgião humano, disse Decker a repórteres.

"Se você tem uma sutura mais consistente, tensionada e uniforme em torno desta mangueira de jardim, ela vai ser capaz de resistir a uma maior pressão de ruptura", disse Decker.

"Isso é o que aconteceu com a nossa anastomose. Essas costuras nos vasos foram capazes de resistir a uma pressão de ruptura maior do que as que foram feitas por cirurgiões", prosseguiu.

Os porcos sobreviveram à cirurgia e não apresentaram complicações após uma semana.

Os pesquisadores destacaram que os cirurgiões estavam atentos à maquina enquanto esta costurava, e poderiam interrompê-la rapidamente se houvesse algum erro.

O sistema STAR está provavelmente a anos de ter seu uso disseminado. Os pesquisadores acreditam que será necessário fazer testes clínicos para avaliar a segurança da máquina em seres humanos antes que ela possa ser aprovada pelas autoridades reguladoras.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










AFP