Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Curiosos observam réplicas do cometa Chouri e do robô Philae em Paris, no dia 10 de maio de 2015

(afp_tickers)

O robô europeu Philae, pousado no cometa "Chouri", conseguiu comunicar-se de novo na quinta-feira, após 15 dias de silêncio, com a sonda Rosetta durante 20 minutos, anunciou nesta sexta-feira a CNES, a agência espacial francesa.

"É uma notícia muito promissora para a continuação da missão do Philae, já que o cometa 67P/Churymov-Guerassimenko chegará a seu periélio (o ponto mais próximo do Sol) na madrugada do dia 13 de agosto", acrescentou a CNES em um comunicado.

Philae não dava sinais de vida desde 24 de junho, o que causava preocupação à Agência Espacial Europeia (ESA).

Philae, que acordou em 13 de junho após sete meses de torpor, conseguiu no mesmo dia se comunicar durante dois minutos com a Terra através da sonda e transmitir dados.

Um dia depois, ele conseguiu fazer contato novamente, mas a comunicação era de má qualidade. Desde então, ficou em silêncio.

Para melhorar a comunicação com o robô, a equipe responsável pela Rosetta, que escolta o cometa durante sua rota para o sol, decidiu mudar o plano de vôo da sonda.

O robô, que enviou dados sobre o estado do módulo, vai continuar a trabalhar "durante toda a noite", pois conta com reservas de energia na bateria. Nos últimos tempos, Philae só trabalhava durante o dia graças aos seus painéis solares, mas as baixas temperaturas impediam que a bateria fosse recarregada.

Philae permaneceu em uma área sombreada por vários meses, o que impediu seu funcionamento.

O robô realiza tarefas para encontrar partículas orgânicas com um potencial papel no surgimento da vida na Terra.

Dotado de 10 instrumentos, este robô-laboratório, que entrou para a história no dia 12 de novembro ao aterrissar no núcleo de um cometa, trabalhou durante 60 horas antes de dormir pela insuficiência de luz, necessária para recarregar as baterias solares que lhe permitem funcionar.

AFP