Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Hitchbot (C) posa ao lado de seus criadores, Frauke Zeller, da Universidade Ryerson, e David Harris Smith, da Universidade McMaster

(afp_tickers)

Um robô chamado HitchBot partiu da costa atlântica do Canadá e, entre uma carona e outra, chegou nesta quinta-feira ao outro extremo do país, em uma iniciativa para avaliar a relação entre humanos e robôs.

Colocado à beira da estrada em 27 de julho em Halifax, cidade costeira e capital da província de Nova Escócia (leste), HitchBot percorreu por conta própria pouco mais de 6.000 quilômetros e chegou a Victoria, capital da Columbia Britância, na costa do Pacífico.

O divertido caroneiro atravessou o país de leste a oeste sem dificuldades, graças à solidariedade de motoristas curiosos, que o embarcavam em seus veículos por alguns quilômetros. Houve uma ocasião, inclusive, em que um motorista o transportou por cerca de 1.000 quilômetros.

A iniciativa foi concebida por um grupo de pesquisadores da Universidade Ryerson de Toronto.

"Este projeto põe em questão nosso medo da tecnologia e nos coloca a pergunta: 'Os robôs podem confiar nos humanos?'", disse à AFP Frauke Zeller, um dos criadores de HitchBot, no começo da travessia.

"Nosso objetivo é promover o debate na sociedade a respeito da nossa relação com a tecnologia e os robôs", acrescentou.

Para celebrar o sucesso da viagem, o robô, equipado com botas amarelas, flutuadores de piscina nos braços e pernas e projetado para ser totalmente dependente das pessoas, tinha que estar presente em Victoria nesta quinta-feira.

A festa de boas-vindas era organizada na galeria Open Space, que promove a arte experimental.

Os cientistas analisarão os comentários publicados nas redes sociais durante todo o percurso para ver o que se pode depreender do comportamento das pessoas com relação à interação homem-máquina.

AFP