A segunda companhia aérea austríaca, Laudamotion, filial da Ryanair, fechará sua base em Viena e eliminará mais de 300 postos de trabalho, após a rejeição sindical de uma redução drástica dos salários devido à crise do coronavírus.

"Lamentamos a perda dos postos de trabalho", disse a companhia nesta sexta-feira (22), ao anunciar em um comunicado o fechamento para 29 de maio.

A transportadora aérea de baixo custo propôs em abril a manutenção dos postos de trabalho em troca de um novo acordo coletivo, dando até quinta-feira à noite para os representantes dos trabalhadores darem sua posição.

O sindicato Vida, que representa os trabalhadores dos setores de transporte e serviços na Áustria, mencionou uma "chantagem" à qual diz não querer ceder.

"848 euros de salário líquido inicial para as recepcionistas está claramente inferior abaixo da linha de pobreza de 1.259 euros ao mês para uma pessoa na Áustria", afirmou.

A Laudamotion é uma filial da companhia irlandesa Ryanair, que operava 26 aeronaves rotativas antes da pandemia de COVID-19 estacionar seus aviões em março, e colocar seus funcionários em desemprego parcial.

Sua rotatividade caiu desde então.

A companhia possui outras três bases menores: duas na Alemanha, em Dusseldorf e Stuttgart; e uma em Palma de Mallorca, na Espanha.

Laudamotion foi fundada pela lenda da Fórmula 1 Niki Lauda e foi comprada pela Ryanair em 2018.

O aeroporto de Viena enxerga esse fechamento como um "sinal fatal" para suas atividades.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Conteúdo externo

Viver e trabalhar nas montanhas graças à internet

Viver e trabalhar nas montanhas graças à internet

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.