Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O juiz federal Sérgio Moro no Senado, em Brasília, no dia 1º de dezembro de 2016

(afp_tickers)

O juiz federal Sérgio Moro, encarregado das investigações da operação 'Lava Jato', espera que os processos direcionados a autoridades brasileiras sejam resolvidos com rapidez, em um momento em que o caso começa a se aproximar do presidente Michel Temer.

"O mais importante é esses casos serem tramitados de uma maneira rápida, para que nos pudéssemos dar uma resposta institucional o mais rápido possível", disse nesta quinta-feira (23) Moro em uma breve coletiva de imprensa, durante um congresso sobre corrupção e estado de direito que acontecia em Lima, Peru.

Moro recordou que os casos que envolvem as grandes autoridades brasileiras, dentre elas membros do congresso, ministros e o próprio presidente Michel Temer, que contam com foro privilegiado e devem ser julgados pelo Supremo Tribunal Federal (STF), instância a qual os processos podem demorar mais para serem resolvidos.

"No Brasil as investigações continuam,(...) e estão no Supremo Tribunal Federal, e estão em andamento", ressaltou Moro.

Moro, estrela da operação "Lava Jato" - que investiga as propinas milionárias que empreiteiras brasileiras pagaram a funcionários e políticos do Brasil em troca de contratos para execução de obras públicas - admite que existe preocupação quando casos de corrupção atingem pessoas no poder.

"Existe certamente uma preocupação quando as investigações envolvem pessoas poderosas, às vezes tendem eventualmente a obstruir de alguma forma" o processo, comentou, lembrando um projeto de anistia para envolvidos na "Lava Jato" que foi debatido no Congresso, e que finalmente não prosperou.

Algumas das delações relacionadas a altos funcionários e que foram vazadas à imprensa, citam o próprio Temer, que negou as acusações.

A Polícia Federal procurava nesta quinta-feira dois foragidos investigados por pagar propina a senadores do PMDB, O partido de Temer, entre outros funcionários.

Desde que substituiu, em maio, a então presidente afastada Dilma Rousseff, posteriormente destituída, Temer perdeu sete figuras de sua administração, seis ministros e um assessor próximo, por desavenças internas e acusações de corrupção.

A última saída anunciada foi do ministro das Relações Exteriores José Serra na quarta-feira (22), devido a problemas de saúde.

AFP