Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Prédios destruídos são vistos em Raqa, em 12 de julho de 2017

(afp_tickers)

Vinte e nove pessoas foram mortas nesta quarta-feira em uma série de bombardeios da coalizão internacional contra Raqa, reduto sírio do grupo Estado Islâmico (EI), informou o Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH).

"Há pelo menos oito crianças entre os mortos", declarou o diretor do OSDH, Rami Abdel Rahman.

A ONG também informou que as Forças Democráticas Sírias (FDS), a aliança curdo-árabe apoiada pelos Estados Unidos, "já controlam 50% da cidade de Raqa, apesar da feroz resistência interposta pelo EI".

O avanco das FDS ocorre quase dois meses após a entrada da aliança em Raqa, no norte do país, para expulsar os jihadistas do EI, que tomaram a cidade no início de 2014.

Os combatentes das FDS entraram em Raqa no dia 6 de junho, e desde então têm enfrentado uma intensa resistência por parte dos jihadistas, que empregam carros-bomba e ataques com suicidas e drones armados.

Milhares de habitantes já fugiram de Raqa, mas a ONU avalia que permanecem cerca de 50 mil civis na cidade.

O conflito sírio, iniciado em março de 2011, após uma onda de protestos reprimida com violência pelo regime de Bashar Al-Assad, já matou 330 mil pessoas.

AFP