Navigation

Síria: com chegada de deslocados, população no litoral aumentou em 50% (CICV)

O litoral sírio é o reduto da comunidade alauíta, à qual pertence o presidente Bashar al-Assad. A maior parte dos deslocados está alojada em abrigos temporários. afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 11. julho 2014 - 15:20
(AFP)

As principais cidades litorâneas sírias, Latakia e Tartous, relativamente poupadas da guerra, registraram um aumento de 50% de sua população em três anos, com a chegada de um milhão de deslocados, afirmou o Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV).

"Mais de um milhão de pessoas chegaram a Latakia e a Tartous desde o início do conflito (em março de 2011), aumentando sua população em 50%", indicou o CICV em um comunicado.

Patrick Luisier, engenheiro hidráulico do CICV, alertou para o impacto da chegada massiva de pessoas, tanto sobre os deslocados como sobre a população local.

"Os recursos locais estão sobrecarregados e as autoridades lutam para enfrentar os problemas causados pela chegada de famílias que fogem de Aleppo e de outras regiões diretamente afetadas pela violência", explicou, referindo-se à província localizada próximo às cidades litorâneas.

A maior parte dos deslocados está alojada em abrigos temporários. "Muitas famílias chegaram com poucos recursos, e as condições de vida na maior parte desses abrigos são difíceis", acrescentou Luisier.

O litoral sírio é o reduto da comunidade alauíta, à qual pertence o presidente Bashar al-Assad.

A guerra na Síria começou com um movimento de protesto pacífico e se transformou em um conflito armado diante da forte repressão do regime. Durante os últimos meses, o cenário do conflito mudou com o avanço do grupo ultra-radical Estado Islâmico, que controla a maior parte do leste do país.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.